domingo, 29 de abril de 2007

PAPOILAS

Pequenas papoilas, pequenas chamas infernais,
sois inofensivas?
Estremeceis. Não posso tocar-vos.
Ponho as minhas mãos por entre as chamas.
Mas nada queima.
E fico exausta quando vos vejo
estremecer assim, pregueadas e rubras como a pele da boca.
Uma boca há pouco ensanguentada.
Pequenas orlas de sangue!
Há nela um fumo que não consigo tocar.
Onde está o vosso ópio, as vossas cápsulas nauseabundas?
Se eu pudesse esvair-me em sangue ou dormir!...
Se a minha boca conseguisse desposar uma tal ferida!
Ou os vossos licores me penetrassem, nesta cápsula de vidro,
trazendo-me a acalmia e o silêncio.
Mas sem cor. Sem nenhuma cor.
Sylvia Plath
Pela Água
Tradução de Maria de Lourdes Guimarães
FOTO: António Amorim

2 comentários:

CJS disse...

Boas,
Já resolvi o erro.
www.caminharnoescuro.blogspot.com

Guedesnet disse...

Obg. amigo

Obrigado por teres visitado o meu blogue e volta sempre.